Olá visitante! Faça o login ou cadastre-se  
Carrinho vazio








Homem pós-orgânico: a alquimia dos corpos e das almas à luz das tecnologias digitais, O

Paula Sibilia

248 páginas

ISBN: 978-85-7866-108-3

"No mundo mecanizado da era industrial, no qual a matéria inerte respondia a uma série de leis rigorosas, exatas e universais, o vivo constituía uma aberração tão inquietante como inexplicável. Já o corpo morto, desprovido da gloriosa chama vital, tornava-se cognoscível: suas engrenagens eram perfeitamente explicáveis. Assim, a tecnociência moderna procuraria elucidar o escândalo da vida como uma exceção à regra. Ou, então, tentaria inseri-lo na explicação mecânica universal, negando boa parte de suas potências ao reduzi-las ao mero funcionamento dos aparelhos que compõem cada organismo. Desse modo, o saber científico redefiniu o corpo humano: arrancando-o dos homens vivos para fazer do cadáver seu modelo e seu objeto privilegiado. Daí em diante, a intimidade corporal seria fatalmente colonizada: seu interior se desvelaria, dando-se início a um processo que hoje parece atingir seu ponto culminante com o deciframento dos genomas e a conquista do nível molecular graças às ferramentas digitais. No horizonte fáustico que caracteriza a este tipo de saber tão atual, porém, o projeto contempla a ultrapassagem de todos os limites que constringem a essa velha estrutura carnal, por meio da manipulação das informações genéticas, a reprogramação celular e a produção de vida nos laboratórios."
Paula Sibilia

Construir um homem pós-orgânico – "projeto faústico" – parece ser a vontade da nossa época. Fazer confluir técnica e vida com o álibi de fortificar o corpo e minguar seus desassossegos, mas sem lhe poupar dívidas nem acoplamentos aos fluxos acelerados e contínuos que são ativados pelos "biopoderes" atuais. Estamos no umbral de uma metamorfose que Paula Sibilia examina e interroga com interesse, serenidade e espírito alerta: a passagem de um mundo em que a máquina era princípio de ordem, potência e regularidade, para outro em que os seres humanos são compelidos a se sintonizar com o mecanismo de curvas e contracurvas do capitalismo global. <p> Obsolescência ou atualização: tal é a disjuntiva, ou a cruz, imposta pelas forças titânicas que estão dando forma à vida. Sobrelevamos, então, uma transfiguração, cujas consequências se anunciam imensas e ainda desconhecidas, tão certas como iniludíveis. As ideias recebidas acerca da ética, da ciência, da tecnologia e da política se veem forçadas a ruir ou a se amoldar. O corpo, essa incômoda persistência abarrotada de mal-estares e sonhos de lonjura, agora mergulhado num campo de manobras – que também o é de excitações e programação – torna-se objeto experimental, e ninguém sabe ainda para quê. <P> Sem rejeições apressadas nem entusiasmos incautos, mas com ânimo de elucidar e desentranhar, Paula Sibilia mostra a vida moldada como informação, uma nova metafísica que encobre os alicerces históricos e políticos da atual reorientação das coisas, e isso em nome de um anseio muito humano: a fuga da dor rumo a um corpo poderoso, elétrico, quase imunizado, um elixir para a autoestima. Trata-se de uma adequação propagada como automodelação, mas cujas inflexões ficam submetidas aos dúcteis comutadores da sociedade do controle. <P> A autora deste livro empreendeu uma dupla tarefa, árdua e importante: fazer uma autopsia da época emergente e desnudar os mecanismos de saber e de poder que a tornam possível. Visto que o tempo concedido a um corpo é irreversível, ela nos lembra que perguntar é uma arma política, que há fendas em toda armadura e que a vida tem menos de teorema já resolvido que de possibilidade ainda não tentada. <P> Christian Ferrer

Pesquisadora e ensaísta argentina residente no Rio de Janeiro, Paula Sibilia estuda diversos temas culturais contemporâneos sob a perspectiva genealógica, contemplando as relações entre corpos, subjetividades, tecnologias e manifestações midiáticas ou artísticas. Publicou também os ensaios "Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão" (Contraponto, 2012, em primeira reimpressão) e "O show do eu: a intimidade como espetáculo" (Nova Fronteira, 2008, com previsão de relançamento pela Contraponto em 2015). Paula Sibilia fez graduação em Comunicação e em Antropologia na Universidade de Buenos Aires (UBA), mestrado em Comunicação (UFF), doutorado em Saúde Coletiva (IMS-UERJ) e em Comunicação e Cultura (ECO-UFRJ). Atualmente é coordenadora e professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação, além de ensinar no Departamento de Estudos Culturais e Mídia da Universidade Federal Fluminense (UFF).
 R$ 58,00    R$ 40,60
             Apresentação

             Sumário


Compartilhar:

TÍTULOS RELACIONADOS
Aparições espectrais: o idealismo alemão, o romanc...

Stefan Andriopoulos

R$ 58,00 R$ 40,60
Técnicas do observador: visão e modernidade no séc...

Jonathan Crary

R$ 42,00 R$ 31,50
Imagem, Í­cone, economia: As fontes bizantinas do i...

Marie-José Mondzain

R$ 58,00 R$ 40,60
Possuídos: crimes hipnóticos, ficção corporativa ...

Stefan Andriopoulos

R$ 58,00 R$ 40,60
Estética da desaparição

Paul Virilio

R$ 32,00 R$ 25,60
Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão

Paula Sibilia

R$ 44,00 R$ 33,00




  • Editora Contraponto
  • Avenida Franklin Roosevelt, 23 sala 1405
  • Centro - Rio de Janeiro, RJ - CEP: 20021-120
  • Tel: (21) 2544-0206 / 2215-6148
  • contato@contrapontoeditora.com.br