Olá visitante! Faça o login ou cadastre-se  
Carrinho vazio




     Produto indisponível
  Aguardando reimpressão


Aurora da filosofia grega, A

John Burnet

384 páginas

ISBN: 978-85-85910-82-2

Tradução: Vera Ribeiro

Na mais remota Antiguidade, a ciência empírica e pragmática de diversos povos obteve conquistas esparsas e assistemáticas, mas foi o gênio grego que iniciou, em torno do século VI a.C., a busca de uma compreensão unitária e racional do universo. Nessa época, na Grécia, especulações filosóficas começaram a substituir as antigas construções mitológicas.


    A origem desse salto permanece enigmática, mas sua importância é inegável: foi o início de uma aventura intelectual decisiva na história humana, que perdura até hoje.


    Desses pensadores originários, comumente denominados pré-socráticos – Heráclito de Éfeso, Parmênides de Eleia, Empédocles de Agrigento, Anaxágoras de Clazômenas, Pitágoras de Samos, Leucipo de Mileto, entre outros –, só fragmentos, ou referências posteriores, chegaram até nós.


    Hegel lhes dedicou uma parte importante das suas Lições sobre a História da Filosofia, e sua interpretação teve grande influência. Depois, em 1878, Hermann Diels organizou cuidadosamente os materiais remanescentes, o que possibilitou análises mais sistemáticas. Nietzsche e Heidegger ocuparam-se deles extensamente.


    Em 1892, John Burnet, classicista escocês reconhecido por sua erudição, professor de grego na Universidade de St. Andrews, tradutor de Platão, publicou A Aurora da Filosofia Grega, em que organizou, traduziu e comentou os fragmentos, apresentando suas próprias interpretações, algumas das quais inovadoras. Propôs, por exemplo, que a ideia de que a realidade está na forma e não na matéria – ou seja, a ideia platônica por excelência – remonta a Pitágoras, embora só tenha sido claramente formulada na época da Academia. Assim, a filosofia de Sócrates estaria mais próxima à dos seus antecessores do que normalmente se pensa, e a própria denominação "pré-socráticos" poderia ser questionada.


    É certo que esses pensadores originários, que tentaram compreender o mundo de uma forma nova, não se lançaram em um caminho completamente inexplorado. Pontos de vista razoavelmente coerentes deviam existir, pois o mundo humano já era muito antigo quando a ciência e a filosofia começaram. Em particular, o mar Egeu tinha sido o centro de uma civilização desenvolvida desde a era neolítica uma civilização tão antiga quanto a do Egito ou a da Babilônia e superior a ambas na maioria das coisas que contam.


    Mesmo assim, diz Burnet, "algo novo – aquilo a que chamamos ciência – surgiu no mundo com os primeiros mestres jônicos. Eles foram os primeiros a apontar o caminho que a Europa tem seguido desde então. Uma descrição adequada da ciência seria dizer que ela consiste em ‘pensar sobre o mundo à maneira grega’. É por isso que a ciência nunca existiu senão nos povos que sofreram a influência da Grécia."


    Esta edição da obra de John Burnet preservou cuidadosamente as citações gregas originais, apresentando as respectivas transliterações e traduções. Torna-se, assim, uma referência para estudiosos de várias áreas.


                        César Benjamin

 R$ 74,00    R$ 44,40
(Produto indisponível, aguardando reimpressão)
             Apresentação

             Sumário


Compartilhar:

TÍTULOS RELACIONADOS
Mundo como vontade e representação, O

Arthur Schopenhauer

R$ 84,00 R$ 50,40
Vontade de poder, A

Friedrich Nietzsche

R$ 82,00 R$ 57,40
Crítica e crise: uma contribuição à patogênese d...

Reinhart Koselleck

R$ 49,00 R$ 29,40
Subsistência do homem e ensaios correlatos, A

Karl Polanyi

R$ 72,00 R$ 43,20
Estudos sobre Spinoza

Kuno Fischer, J. Land, C. E. Vaughan e Léon Brunschvicg

R$ 82,00 R$ 57,40
Conceito de cultura, O

Leslie A. White

R$ 32,00 R$ 19,20




  • Editora Contraponto
  • Rua Joaquim Silva, 98 - 5º andar
  • Centro - Rio de Janeiro, RJ - CEP: 20241-110
  • Tel: (21) 2544-0206 / 2215-6148
  • contato@contrapontoeditora.com.br