Olá visitante! Faça o login ou cadastre-se  
Carrinho vazio








Conceito de tecnologia, O volume 2

Álvaro Vieira Pinto

808 páginas

ISBN: 978-85-85910-68-2

É fato raro, no mundo editorial, que livros fundamentais de autores importantes permaneçam inéditos por muitos anos. Foi auspicioso receber a notícia de que a mais extensa obra de Álvaro Vieira Pinto (1909-1987) havia sido recém-descoberta, na forma de 1.410 laudas datilografadas em máquina de escrever, minuciosamente corrigidas a mão. O tema não poderia ser mais atual – o conceito de tecnologia – e a abordagem, fascinante e rara: aqui é um filósofo quem discorre sobre tecnologia, não um economista.


    Por que um filósofo resolveu estudar tão extensamente esse assunto? Vieira Pinto poderia responder que o processo de hominização apresenta dois aspectos fundamentais: a aquisição, pela nossa espécie, da capacidade de projetar e a conformação de um Ser social, condição necessária para que se possa produzir o que foi projetado. Considerada como "memória social do fazer novo", a técnica é inerente a esse processo, pois o desenvolvimento do homem, o animal que cria e produz, exige um manuseio cada vez mais elaborado do mundo.


    Vieira Pinto referenda a importância, potencialmente libertadora, da técnica. Recusa as concepções que fazem dela um perigo em si, pois ao fim e ao cabo quem comanda o processo – para o bem ou para o mal – sempre é o homem. Mas recusa fetiches. Denuncia, por exemplo, a expressão "era tecnológica", comumente aplicada ao tempo atual, pois o homem não seria humano se não vivesse desde sempre nessa suposta era. A ideia de que ela foi inaugurada recentemente é apenas um artifício ideológico por meio do qual os grupos dominantes glorificam a sua dominação, apresentando-a como uma época áurea. A prova disso, reiterada todos os dias, é a diversidade de coisas novas anunciadas. "Mas é um erro olhar fundamentalmente para as coisas", diz o filósofo, "pois a verdadeira finalidade da produção humana consiste na produção das relações sociais, a construção de formas de convivência." Vieira Pinto está aqui, mais do que nunca, próximo de Marx, e não por acaso realiza neste livro a sua crítica mais contundente ao pensamento de Heidegger.


    Catedrático da Faculdade de Filosofia da então Universidade do Brasil (hoje UFRJ), esse intelectual que unia formação clássica rigorosa à condição de excelente matemático ganhou projeção a partir de 1956, quando se juntou ao grupo de fundadores do Instituto Superior de Estudos Brasileiros (Iseb), cujo Departamento de Filosofia passou a chefiar. Ali, instalado no centro dos debates do ciclo desenvolvimentista, dedicou-se a compreender filosoficamente os vários modos de pensar o Ser nacional a partir da periferia do sistema-mundo. Nação, projeto, trabalho, desenvolvimento, construção de identidades foram temas que permearam sua fecunda reflexão, que culminou neste "O conceito de tecnologia", finalmente localizado e publicado agora, pela primeira vez, em dois volumes.


                        César Benjamin

 R$ 88,00    R$ 52,80
             Sumário


Compartilhar:

TÍTULOS RELACIONADOS
Gênese e estrutura de O Capital de Karl Marx

Roman Rosdolsky

Estudos sobre Spinoza

Kuno Fischer, J. Land, C. E. Vaughan e Léon Brunschvicg

Conceito de cultura, O

Leslie A. White

Conceito de tecnologia , O, volume 1

Álvaro Vieira Pinto

Benjamin e a obra de arte: técnica, imagem, percepção

Walter Benjamin, Detlev Schöttker, Mirian Hansen e Susan Buck-Morss

Leonardo entre nós: imagens, sons e palavras na época intermidiática

Giorgio Baratta





  • Editora Contraponto
  • Avenida Franklin Roosevelt, 23 sala 1405
  • Centro - Rio de Janeiro, RJ - CEP: 20021-120
  • Tel: (21) 2544-0206 / 2215-6148
  • contato@contrapontoeditora.com.br